sábado, 16 de janeiro de 2016

Um pouco mais

Hoje é o primeiro dos dias que deixo de ser aquela moça que todos conheciam.
Quem eu era? Menos do que sou hoje. Não ganhei na loteria (e é provável que eu jamais ganharei), pulei poucas vezes, corri pouco também, não perdir o medo de quebrar os ossos. 

Minha coragem mudou do ponto A ao ponto B, numa estrada que o percurso é ziguezagueando entre os medos dos outros, as coragens absurdas de pequenos insanos, de gente louca feito eu e de extraordinários zumbis.

Sei que não é interessante dizer que mudei. Por que todos mudam. Querendo ou não. Mas o óbvio nesse momento veste-se de nostalgia; meu retorno pra ser exato. Voltei a conversar com meus bichinhos esquisitos nesse enorme de grande Mundo. 

Escrever.  

Quero voltar pro lado do avesso, porque  eu cresci demais. E adultos também se divertem com miudezas ou Graciosas Miudezas. 

[Aquele amor de sempre... Roubei algo dele. Do lado real.]

sábado, 2 de maio de 2015

Qualquer língua




Cada um tem suas manifestações de liberdade, mas não envolvam outras vidas. Não tem nada a ver a minha vida com a sua ou sua vida com a minha. Não encenem uma vida que não tem, usando as pessoas como se elas não tivessem sentimentos. Não distribua ardor, amargura por não receber amor, ninguém é obrigado a gostar de você. O mundo é muito vasto e existe uma série de outras oportunidades. Não vivam com o dever de serem aprovados por todos. Não puxem o tapete quando notar a inferioridade da sua capacidade comparado com a do outro. Trabalhe. Evolua. Não devemos nos comparar a ninguém; dessa forma atraímos um peso desnecessário, já não é suficiente as dores dos dias? Amplie a inteligente. O julgo pertence a Deus. E, mais, Ele está do lado de todos. Uma das regras que prevalece é: Aqui se faz, aqui se paga. Devemos estar conscientes de nossos atos. Podemos adotar o estilo: - A vida é como uma empresa, você admiti e demiti pessoas. Simples assim. Vá viver! Mesmo morto na vida de alguém.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Caráter


by: Alphabite






Não é difícil descobrir as faces das pessoas, o que não é fácil é saber qual máscara ela está usando no agora. 

Os que são péssimos atuantes da vida ganham o cada dia com a verdade, penso que, se eles mentissem um pouquinho não sofreriam tanto.

Na verdade ou na mentira, ninguém foge da dor dos dias. A vibração da vida é constante, não dá pra saber até quando ela pode durar, mas de certo podemos trazer para ela muitas realizações se não estivermos dormindo.

As pessoas, elas todas. Tem seus monstros, os que lhe causam medo, dor ou realmente serem monstros. Elas estão ao alcance de Deus ou ao Universo como muitos preferem defini-lo.

Eu mesmo, não sei se minto tanto pra disfarçar meus medos, pra enfrentar meus medos, pra alcançar meus objetivos. Minha identidade fica do lado de dentro. E quem tem acesso pode muito bem dizer.

E a verdade que escorre na enxurrada de consoantes e vogais bem ou mal elaboradas... Eu não aprendi escondê-las bem. 

As emoções que tomam conta de nós, elas são um perigo e um grande aliado. Toda mentira ou verdade fica sendo uma verdade linda e de sucesso. Não existe fracassos, apenas oportunidades que forma testadas pois os outros caminhos sempre estiveram claros.

Razão ou emoção. Como conectá-los na medida certa?

Enquanto não sei se estou em equilíbrio, vejo o Universo cuidando dos meus objetivos. E quando for a hora de falar, não serei eu.

Serei outra. Com muita verdade estampada no rosto. 

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

E quando sentir deixa de ser importante...




E quando perceber que sentir, deixa de ser importante. Não fará mais sentido a convivência.

E se... Houver luz... 

A chama do querer dos embaraços - nestes corpos estranhos - começará de alguém com amor maior ou de quem estiver maduro ou mais aceito de si e da vida que leva.


E quem sabe... Tem que ser desse jeito... Do jeito que se constrói uma vida. Nunca desistir.

sábado, 10 de janeiro de 2015

E a noite foi embora

Aquele homem que segue suas ideias nenhum pingo tradicionais, mora longe agora. Não somos mais os mesmos. Carrego no corpo todas as marcas das lutas que enfrentei por mim e pelos outros. Ele também. Aliás, todo mundo. Ele parece feliz. Os seus gritos já não saem pela boca. Explodem dentro e saindo numa dança desengonçada. Um homem alto magro e de muitas vantagens.

Não deu certo porque ele é gay. Ele rebola muito. Todos percebem. Não que eu queria disfarces. O amor por ele cresceu, amadureceu. E vai ficar aqui no peito. Não foi cheio de glória, mas foi louvável.

E do fim, desejo o começo.

Minha noite foi...

sábado, 5 de julho de 2014

Fragmentos do meu pequeno mundo




Eu sempre andei carregando a coragem nas costas como se ela pudesse sair da mochila a qualquer hora pra encontrar as guerras que valem a pena lutar. Não era peso que carregava, ela mantinha-me no chão. 

Saudade daquela criatura espetacular que vestia púrpura pra arrasar na balada sem querer maquiar as tristezas da alma. Sempre lindo, até com os olhos caídos do seu universo preto e branco.

Eu podia carregar dois metros de felicidade no coração sem alcance de mãos traiçoeiras. 

Não interessa a roupa ou os quilos que teria de perder para impressioná-lo,  alma que deixei há três... 

Ele só quer mergulhar... Meu mundo.

E a coragem, ela ficará guardada para quando ele precisar de mim.